UERJ

Muito além do currículo

Para se conseguir uma entrevista de emprego, empresas estão exigindo de candidatos muito mais que a apresentação de um bom currículo. Cada vez mais, são exigidas cartas de motivação. Isso se deve ao fato de que hoje em dia, os profissionais tratam seus currículos como mala-direta, enviando-os a todas ofertas que surgem, sem saber a cultura da companhia ou se têm o perfil solicitado.

Recrutadores chegam a receber currículo de 90 interessados para uma vaga, mas ao pedir carta de motivação, recebem menos de dez retornos. Eles acreditam que isso se deve ao fato de que quando os candidatos precisam demonstrar mais interesse, ou ter mais “trabalho” para se candidatar a uma vaga, eles desistem.

As cartas de motivação servem para medir o real interesse do candidato na vaga, e também permitem uma avaliação do perfil comportamental mais acertada do que aquela baseada somente na leitura de um currículo.

Entretanto, muitas pessoas sequer sabem como fazer a tal carta e muitas vezes desconhecem do que se trata.


Por isso, seguem algumas dicas:

• Pesquisa: estude a empresa à qual está se candidatando;
• Tempo: não é recomendado perder tempo escrevendo cartas para vagas em lugares com os quais não há identificação;
• Descrição: utilizar a descrição do cargo como guia para o cargo é fundamental;
• Consistência: deve ficar claro que o currículo e a carta são da mesma pessoa;
• Salário: não é recomendado citar a expectativa salarial numa carta de motivação;
• Exemplo: dar exemplos de situações que comprovem suas habilidades de acordo com as exigências do cargo;
• Nome: a carta deve ser dirigida preferencialmente à pessoa específica responsável pela seleção.








 


Fonte:

Jornal O Globo, caderno Boa Chance, 27/01/2013, capa